Ser Mãe #6


Há quem diga que ser mãe é padecer no paraíso. Não raro, tal afirmativa diz respeito ao profundo Amor Materno que suplanta as conjunturas mais difíceis. Quando se fala em Maternidade é impossível não associá-la a renuncia, ao sacrifício e, até mesmo, a Dor... Mas poderíamos associá-la, da mesma forma, ao cansaço? Alias, "padecer no paraíso" cansa?

Ora, para obter a resposta desse questionamento filosófico, seria preciso escutá-las. Ninguém em sã consciência, poderia alegar cansaço sem senti-lo. Fisiologicamente é fácil identificar a canseira corporal, pois expressa-se visivelmente. Mas não falamos dessa prostração física. Refiro-me ao cansaço patrocinado pelo amor. Amor de Mãe.

Vê-se, vez que outra, algumas mãe rolarem lágrimas pungentes pelos filhos. Mas, passado o amargor, ei-las a postos para outro 'Tsuname' de lágrimas ardentes, prontas para sentirem pelos filhos, o que os próprios filhos não sentem por si mesmos. Isso é apenas uma exemplo.

Partindo desse pressuposto, torna-se difícil encontrar uma resposta para a indagação motivadora desse pequeno texto. E ante a nossa incapacidade de penetrar nesse mundo indecifrável ou de mergulhar nesse oceano  de amor sem fim, optamos em mudar o proverbio popular e cantar-lo à prosperidade para que os ouvidos do futuro escutem em alto e bom som:

                         SER MÃE É PADECER INCANSAVELMENTE NO PARAÍSO.




Fotos deste post: arquivo pessoal.
Postagem mais recente Postagem mais antiga