Namoro Infantil



“Nada é tão encantador quanto a imagem da inocência ... os dois mal saíram das fraldas, ainda não sabem falar direito, mais imagine só – se dizem namorados”

Não existe coisa mais bonita que o universo do faz de conta infantil. Nessa fase a criança experimenta vários papeis; ela pode ser mãe, professora, policial, bombeiro ... etc. Expõe suas fantasias em cada um dessas personagens. Mas o que fazer se seu filho chega e diz “tô namorando???
Existem pais que ficam constrangidos em conversar sobre o assunto; outros não dão muita bola e alguns desencorajam os filhos, afirmando que o namoro não é uma coisa boa.
Pessoalmente não vejo problema algum, desde que essa manifestação seja espontânea e desprovida de malicia, ou seja, uma brincadeira. Essa deve ser forma que os pais devem encaram essa situação. O namoro infantil está bem longe de ter as mesmas características do namoro de um adulto.
Segundo meu marido, que é psicólogo, existe fase em que a criança adquiri um namoradinho. Geralmente é aquele amiguinho (a) das brincadeiras, por quem ela nutre um carinho especial. Os pais devem mostrar que entendem que ela gosta do amiguinho (a) e não polemizar o assunto, agindo naturalmente e procurando estabelecer, com a criança, os limites saudáveis. Contundo, não permitir que essa brincadeira antecipe etapas do seu desenvolvimento.
Resumindo, não é recomendável reprimir mas também não deve-se incentiva-lo. Cada fase do crescimento da criança corresponde a vontade e necessidades diferentes, logo, seu comportamento não irá além do que é comum a sua idade. O melhor a fazer é evitar sustos,  observar os filhos e dialogar sempre.



Postagem mais recente Postagem mais antiga